segunda-feira, 31 de janeiro de 2011



HÁ ALTURAS PARA TUDO | Há uma altura em que as pessoas se fartam de aturar pulhas. Nesses momentos os pulhas ficam bravos e estrebucham. O desespero leva-os a atirar sobre quem está farto de ver os pulhas a viver à grande. Para os pulhas não há povo nem preocupações com o seu bem estar, mas apenas pagadores dos seus privilégios. Na Tunísia e no Egipto a coisa está a mudar. Há alturas para tudo. Chegou a altura de a Democracia se instalar por ali. Aos pulhas resta zarparem dali para fora.


RECEITUÁRIO | Conversa com o designer italiano Gaetano Pesce, com moderação da directora do MUDE, Bárbara Coutinho, no próximo dia 3 de Fevereiro, às 16 horas. Este encontro é aberto ao público em geral e destina-se, em particular, a designers e estudantes de design, arquitectura e artes plásticas.
Para assinalar a visita deste importante criador, o MUDE vai apresentar, no centro da sua exposição permanente (Piso 0), um núcleo com todas as peças da sua autoria que integram o espólio do museu.
Gaetano Pesce é considerado um dos expoentes máximos do Design Radical. Os seus trabalhos de arquitectura e design privilegiam o significado em detrimento do funcionalismo, tornando-o num ícone do anti-design. Mais recentemente, colaborou com a Melissa, dando continuidade ao projecto que a marca brasileira tem vindo a desenvolver com grandes criadores da actualidade, como Vivienne Westwood, irmãos Campana e Zaha Hadid.
(Texto promocional enviado pelo MUDE)


MUDE - Museu do Design e da Moda | Colecção Francisco Capelo
Rua Augusta, 24
1100 - 053 Lisboa
Portugal

sábado, 29 de janeiro de 2011



RECEITUÁRIO | Mesmo que não vá ao lançamento, não perca o livro de vista.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011



O QUE NASCE TORTO... | Jorge Salavisa demitiu-se da direcção da OPART, o organismo que gere o Teatro Nacional de São Carlos e a Companhia Nacional de Bailado. As condições que tem hoje, são exactamente as mesmas que tinha na data de posse, disse a ministra Canavilhas. Pois é, acredita-se. Mas uma coisa é certa: o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

NADA DE MISTURAS, MAS... | Aquela tropa fandanga que gosta de desfilar ornamentada por adereços funerários, anda em grande furor reinvidicativo. Esta recalcitrante malta não quer misturas entre ensino estatal e particular, rejeita em absoluto intromissões, e defende até à morte (os caixões já eles têm) o principio de que pagar é o melhor. Mas a rejeição tem limites, porque receber umas verbas estatais, retiradas dos impostos de todos nós, para aliviar as exigências dos "piquenos", já é outra conversa. São tão miseráveis, estes ricos.
O CIRCO VOLTOU À CIDADE | A palhaçada está na arena. O jornalista que entrevistou Silvino também já é vedeta dos noticiários televisivos. Acabamos por saber que Bibi não queria dar a entrevista, mas percebemos também que assim que se apanhou com o homem da imprensa à frente, pôs a boca no microfone e disse o que agora se sabe. A imprensa não se cala. Os advogados de defesa dos acusados não saem de cena. A Justiça está em polvorosa. O País não percebe o que se está a passar, mas espera vir a perceber. Já chega de circo. Resolvam as coisas como gente crescida. E já agora com alguma rapidez. É que já é tarde.


No âmbito da exposição "Sementes, Valor Capital", o MUDE - Museu do Design e da Moda, Colecção Francisco Capelo, apresenta um ciclo de debates sobre o tema das sementes, sua importância e diferentes utilizações, integrando a perspectiva de especialistas em várias áreas.
A exposição, que pode ser visitada até 20 de Março, e em que se mostram cerca de 500 sementes plantadas em Portugal, pretende sensibilizar para a biodiversidade agrícola, a importância da diversidade alimentar, e a preservação da semente.
(Texto promocional enviado pelo MUDE)


RECEITUÁRIO | Poesia de Henrique Segurado em edição de grande qualidade. O lançamento é hoje. O livro estará à disposição dos leitores nas livrarias. É para vender. E para comprar.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011



O CASO DO CASO CASA PIA | Não sei se é para levar a sério, mas afinal parece que Bibi, o famoso abusador confesso do caso, mentiu com todos os dentinhos que tem na boca. Nada do que disse diz que se passou. Só conhecia de vista todos os denunciados e ofendidos. Afinal em que ficamos? O homem passou-se, ou está passado há muito? Vai tudo voltar ao princípio?
FUNERAL DO ENTRUDO | Pais e alunos de "estabelecimentos de ensino" particular, usaram caixões para manifestar desagrado por um corte infringido nos apoios pelo Ministério da Educação. Que falta de gosto. E de educação. Bem merecem o corte nos apoios.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011



DENNIS OPPENHEIM | A escultura, a pintura, a arquitectura, a fotografia, o corpo e a ironia andaram de mãos dadas com este artista norte-americano. Morreu no sábado. Viverá a obra.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

PACHORRA | Já não há paciência para as reportagens sobre as declarações dos candidatos, as declarações propriamente ditas, as análises dos comentadores de serviço, as curiosidades pouco curiosas da campanha, o mau ganhar de Cavaco, a vitória dos que perderam, a penalização do que ganhou com a menor votação de sempre, e mais o diabo que os carregue. Já chega, não? Daqui a cinco anos há mais. Se lá chegarmos.
RESUMO DA MATÉRIA DADA | Até já há quem fale nas próximas eleições presidenciais. Pelos vistos não ficaram satisfeitos com a dose. O ofício de comentar tudo e mais alguma coisa, em canais televisivos, quando o assunto se esgota, leva a alguns exageros. E dá para tudo. Há quem não perceba que o capital político de Fernando Nobre não aguenta o desgaste do tempo. Até porque Nobre não tem capital político. Nobre político acabou ontem, ponto. O Coelho da Madeira já é apontado como preocupação para Alberto João Jardim. Jardim, se os ouve, deve estar em delírios de humor. E desta com razão. Também Lopes, grande vencedor da noite eleitoral, orgulhoso com o número de votos obtidos, possíveis de o fazer eleger para uma junta de freguesia, é apontado pelos comentadores como uma surpresa. Surpresa? Sim, parece que afinal é humano e sensível. Pensariam, antes de a campanha arrancar, que se tratava de um símio em animação circense? Haja paciência.

domingo, 23 de janeiro de 2011

http://2.bp.blogspot.com/_M-3G3u5KV94/TTMQeMTsbcI/AAAAAAAAC2w/qzIALo291q8/s1600/Presidenciais2011.jpg
... and the winner is... ABSTENÇÃO!

- Tal como esperado, a abstenção foi a atitude mais apreciada pela maioria dos portugueses. Sempre foi assim em reeleições de presidentes. Tudo como dantes. Há quem fale em debater o assunto. Debater isto para quê?

- Lopes diz que a sua candidatura foi um imperativo nacional. E parece que venceu as eleições lá no seu recanto. Foram os trabalhadores que votaram nele, disse. Trabalha-se pouco em Portugal, pelos vistos.

- Há quem diga que Nobre teve uma grande votação. Mas, perdoem-me a pergunta: para que serve tanto voto dado a uma campanha que não serve para nada?

- Desta vez é Nobre que assume o discurso do PCP. Parece que ganhou as eleições. Parabéns, senhor doutor.

- A candidatura de Cavaco já anunciou que o candidato eleito vai fazer declaração mas não vai responder a perguntas. Já começa.

- O discurso de Cavaco foi rancoroso. Não é normal em declarações de vitoriosos. Pouca elegância. No mínimo.
(Publicações inseridas no Facebook durante a noite eleitoral)

sábado, 22 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011



PRESIDENCIAIS 2011 | Este anúncio foi concebido por nós, na DDLX, para aplicação em vários jornais diários. A ideia é pôr a malta mais nova a votar. Fizemos o que podemos.
http://2.bp.blogspot.com/_M-3G3u5KV94/TTMQeMTsbcI/AAAAAAAAC2w/qzIALo291q8/s1600/Presidenciais2011.jpg

DECLARAÇÃO DE VOTO
| No ano passado, por esta altura, escrevi aqui no meu pedaço o que pensava sobre estas eleições. Mantenho tudo o que disse. No próximo domingo vou votar. Vou riscar uma cruzinha no papelinho com a minha Mont Blanc.
Sempre dá mais alguma dignidade à coisa.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011



IMPORTA-SE DE REPETIR?
| Cavaco alerta para os perigos económicos resultantes de uma segunda volta das eleições presidenciais. Faz dessa despesa motivo de campanha. As eleições custam-nos os olhos da cara. Que tal suspender a Democracia logo a seguir aos resultados eleitorais?
ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS | Todos os candidatos dizem estar em condições de disputar a segunda volta com Cavaco Silva. Todos os candidatos, excluindo Manuel Alegre, estão a precisar de deixar de ser ridículos e de fingir que as coisas são assim como eles fingem que são. Excluo do rol de otimistas Manuel Alegre porque só ele pode almejar tal proeza. Apesar de estar muito longe dessa "vitória".

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011



PECADOS ÍNTIMOS
| Já sabíamos que Berlusconi gosta de mulheres jovens e bonitas. Tentou mesmo preencher os lugares de decisão com italianas saídas diretamente das capas das revistas cor-de-rosa. Agora foi descoberta uma ligação com uma mulher, mas no tempo em que ela ainda era menina. O escândalo está instalado. Os italianos sabem que o primeiro-ministro é danado para a brincadeira. E parece que toda a gente acredita que ele não se ensaia muito para "brincar" aos papás e às mamãs com meninas que abandonaram o bibe anteontem. Da fama não se livra. Na praça pública anda sempre a dançar com a mais feia.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011



O HOMEM QUE MORDEU A MAÇÃ | Steve Jobs está de baixa médica. O problema que o aflige voltou a incomodá-lo. Mas a estrutura que dirige, e que tanta engenhoca fantástica nos fornece, continua de boa saúde. O novo iPhone e o iPad são grandes sucessos em satisfação e vendas. Rápidas melhoras, Steve.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011



BOM CONSELHO
| A esquerda em campanha parece incapaz de falar para os que precisam realmente de campanha. (continuar a ler)
Rui Bebiano na Terceira Noite

domingo, 16 de janeiro de 2011

CATÁSTROFE | Como se não bastassem as enxurradas no Rio de Janeiro, a insatisfação na Tunísia, a crise mundial e mais as eleições em Portugal, surge agora outro motivo de grande preocupação: o presidente do Sporting demitiu-se. A notícia caiu como bomba nos noticiários televisivos. Que mais irá acontecer ao mundo?!


O REGRESSO DOS HERÓIS | A Tunísia está a ferro e fogo. O corrupto que se governou à conta do país durante vinte e três anos saiu de cena. Agora esperam-se eleições no prazo de dois meses. Mas uma preocupação paira entre os defensores da democracia: os islamitas, até aqui impedidos de ditar sentenças, querem voltar e governar. Ou seja: uma ideia de civilização parecia estar em marcha lá na terra que se viu livre de um pulha e seus seguidores, mas arrisca-se a ter a intolerância religiosa como timoneira. Oxalá tudo corra pelo melhor. A intolerância não é expressão apreciável de manifestação religiosa. E regressar aos métodos de Maomé não é solução governativa. Boa sorte, tunisinos.


CITIZEN KANE | O candidato bonzinho, agora vestindo a pele de animal feroz, tem razão em reclamar. Um jornal de referência como o Expresso, não dedicar uma linha à campanha de Fernando Nobre, é merecedor de nota negativa. Ou então teremos que rever esta classificação do que é verdadeiramente a imprensa de referência.

sábado, 15 de janeiro de 2011

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011



MAS FALEMOS DE COISAS SÉRIAS | O Rio de Janeiro está a perceber a crueldade da Natureza. A cidade maravilhosa dos poetas e cantores, tornou-se um estrondoso pesadelo para quem lá vive. Aquela terra voltará a ser linda, é certo. Mas com tanta gente morta à volta, as recordações vão pesar nas canções. Perante esta tragédia, somos todos cariocas.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011


CUIDADOSA REFLEXÃO | Hoje, a partir da meia-noite, vou entrar em profunda reflexão por mor do ato eleitoral que se avizinha. O dia recomendado para o efeito, vinte e quatro horas apenas antes do respetivo ato, não me chega. Logo após esta profundíssima reflexão, que terminará no dia 23 por volta do meio-dia (mais coisa menos coisa), verificarei que tudo voltou ao que era dantes? É o mais certo. Tanto barulho para nada.
(Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990)
A JUSTIÇA DOS LABREGOS | Como não costumo andar pelas caixas de comentários dos jornais, não me passava pela cabeça que eram sítios tão mal frequentados. Ferreira Fernandes deu-se ao trabalho de passear por entre aquela javardice. A crónica está aqui.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011



CÁ ESTAMOS | A campanha anda triste. Alegre propõe que Cavaco vá lá para fora fazer pela vida. Cavaco diz que não responde aos outros candidatos. Alegre diz que se Cavaco for para o estrangeiro pedir batatinhas aos mercados, ele também suspende a campanha. Cavaco chama-lhe ignorante. Alegre diz que não é ignorante mas sim patriota. Defensor de Moura anda nas suas lides pelos locais de onde nunca deveria ter saído. O bonzinho Nobre, agora menos bonzinho, diz que não tem nada a ver com isto e que é completamente novo e indispensável para a salvação do país. Também anda por aí um ex-deputado da direita madeirense, eleito para o parlamento regional pela Nova Democracia, que agora acusa o soba do Funchal de aplicar políticas de direita contra os trabalhadores. E temos o trabalhador Lopes que diz a mesmíssima coisa há trinta e tal anos. Se esta tristeza continua (e não se vislumbram melhoras substanciais), dia 23 vou colocar o papelinho na urna sem gastar tinta da esferográfica.
Ai isso é que vou.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

INVESTIDO PARA MATAR | Em Catanhede, terra do rapaz que matou Carlos Castro, prepara-se uma manifestação de apoio ao filho da terra. Quem o conhece quer defender a sua honra de macho latino. Afinal tem namorada. Afinal sempre foi heterossexual. Afinal não passa de um "menino normal" que se revoltou contra "demónios e virus". Esta manifestação quer mostrar a Renato Seabra que não está só. Há quem se solidarize com o crime que cometeu. Os códigos que esclarecem a noção de justiça desta gente são insondáveis.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011



COERÊNCIAS | Passos Coelho e Paulo Portas não querem que o Governo se mantenha em funções no caso de o FMI nos entrar portas dentro. Ora, o FMI só apanha o avião se houver estabilidade no sítio da intervenção. Ou o FMI também organiza processos eleitorais?
Claro que Passos e Coelho sabem do que falam. Pergunto por perguntar.

domingo, 9 de janeiro de 2011



OPINIÃO E LAMENTO | Aviso prévio: não frequentava as opiniões de Carlos Castro, nem lhe apreciava o estilo. Refiro-me à escrita e às suas motivações. Nada contra outras opções perfeitamente encaixadas nos meus códigos morais. Dito isto, e sem que ninguém me tenha encomendado o sermão, acrescento que este caso me chocou profundamente. Falamos de dois seres humanos atingidos por tragédia da grada. Um procura a felicidade e entrega-se sem reservas aos seus deleites. O outro utiliza essa entrega, mas percebe que lhe é exigido algo que, parece, rejeita. Estão em causa carácter, oportunismo, falta de escrúpulos, insegurança, ingenuidade. O conflito instala-se. A pressão atinge proporções insuportáveis. Na maior parte das vezes estes casos não acabam em banhos de sangue. Este acabou. Castro morre na cidade onde queria acabar. Para o rapaz acabam os sonhos. Triste morte. Triste vida.


QUEM PAGA... MANDA | Manuel Alegre parece querer abrir um conflito com França e Alemanha. A propósito das pressões para a entrada do FMI em Portugal, denuncia estes dois países como mandões europeus. Alegre ainda não foi informado de quem manda?
Já quanto às opiniões de Cavaco sobre quem manda lá em casa... o candidato poeta tem alguma razão. O provincianismo cavaquista não sai da cozinha familiar. O pacovismo é ditame cultural.


HOMENAGEM | Morreu Vitor Alves. Fartou-se de batalhar para que a palavra democracia se escrevesse com maiúsculas. Não se ficou por essa intenção. Foi activo políticamente e fez muito pelas ideias democráticas. Obrigado, Vitor Alves.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011



CHEQUES SEM COBERTURA | A campanha eleitoral vai decorrendo de dependência bancária em dependência bancária. Os principais candidatos presidenciais envolvem-se em desmentidos dignos de balcão de Banco. A discussão política foi trocada por listas de Deve e Haver. Esta campanha não passa de uns trocos mal contados. Uma seca.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011



O PAÍS VAI DE CARRINHO | Há quem diga que a corrida à aquisição de viatura própria ocorrida no fim de 2010, é sinal de que a crise afinal não existe. Nada mais falso. O incentivo ao abate (que expressão sinistra), ditou as regras. O português não dispensa uma boa pechincha. Perder aquela oportunidade seria coisa para tótós. E há lá coisa melhor que montar um carrinho novinho em folha?! Há crise em Portugal. Mas não é só financeira. As cabecinhas continuam a não pensar cá em poupanças e políticas e assim. Não somos um país de merda qualquer. Somos um país de merdas ao volante.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011



HOMENAGEM | Obrigado, Mick Karn.


GALINHAS DO MATO | Fernando Nobre insistiu hoje, em entrevista a Judite de Sousa, na RTP1, na imagem da criança que persegue a galinha para lhe tirar o pedacito de pão do bico. Respondeu aos labregos que o ridicularizaram apontando se não seria mais eficaz para a alimentação do petiz a captura do galináceo. Não, não era possivel: o rapaz sabia de quem era o bicho. E roubar naquelas bandas traz grandes sarilhos. Esclarecida a coisa, apetece perguntar: e o que é que isto tem de útil para a discussão eleitoral? É este tipo de défice humanitário que está em causa no debate em Portugal?
O DEUS BANQUEIRO | O caso BPN entrou que nem um foguete na corrida eleitoral, e ameaça transformar-se em grande explosão atómica. Alegre não dispensa os disparos. Cavaco não quer ripostar. E recupera para o debate eleitoral o seu habitual "não comento", acrescentando um manteigueiro "respeito todos os candidatos". Há quem diga que o cadáver BPN não deveria entrar na berlinda eleitoral. Nada mais errado. Era inevitável a sua entrada no desfile. E a procissão ainda não saiu do adro.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011



COMUNICADO | Afazeres vários ainda não me permitiram fazer o balanço do ano que se finou anteontem. Voltarei ao convívio dos pacientes do B'O na próxima quarta-feira. Renovo votos de bom ano de 2011.
+